Notícias

O “Cancelamento” da FEB

A segunda metade dos anos 1940 e a primeira dos anos 1950 foram pródigas em soberbas homenagens físicas aos pracinhas, sob a forma de belos monumentos, mesmo em pequenas cidades do interior brasileiro. Grande parte deles foi construída graças aos recursos levantados pelos próprios veteranos, que organizaram rifas, festas e campanhas de doação.

As estátuas desses monumentos foram erguidas por um elemento indispensável: o talento de escultores. Profissionais com notável habilidade manual, conhecimento apurado da anatomia humana e sólidos fundamentos artísticos, deram harmonia e força expressiva às obras. Contudo, esse quadro mudou radicalmente nas décadas seguintes.

De uma forma geral, o padrão das estátuas forjadas após esse período foi decaindo ao longo do tempo, não por culpa dos idealizadores, mas pela progressiva relativização dos conceitos de arte e beleza. A influência modernista passou a dominar as artes visuais, ditando o modelo dos novos e principais monumentos da FEB no Brasil e na Itália. O estilo clássico caiu no ostracismo.

A motivação é evidente, pois o estilo clássico costuma simbolizar a memória de figuras históricas indesejáveis a certos grupos interessados em reescrever o passado. Assim, parcela substancial das artes visuais deixou de representar a beleza para servir como instrumento de manipulação política e ideológica, entronizando o grotesco e o escandaloso para “introduzir o terror, o medo, o pânico, a deformidade e a morte no sacrossanto interior burguês”, conforme escreveu Iker García, reputado historiógrafo da arte modernista.

Hoje, salvo raras exceções, as homenagens aos pracinhas em figura humana mostram-se disformes e toscas — pálido reflexo da qualidade vista no passado. A FEB não é a única vítima desse processo, pois a escultura do corpo humano em bronze, mármore, entre outros materiais nobres, deu lugar a abstracionismos em metal enferrujado e concreto, geralmente de significado indecifrável para a quase totalidade do público — supostamente o destinatário da arte —, mas úteis para camuflar a mediocridade autoral sob grossas camadas de sofismas embusteiros.

O controle das Belas Artes foi apenas uma etapa desse processo insidioso. Nos EUA, estátuas centenárias de personagens da história norte-americana foram retiradas da exposição pública em 2020, sob a pressão de grupos fantoches do marxismo cultural.

Cabe a pergunta: Nós estamos sujeitos a esse mesmo risco?

No Brasil, a memória da FEB incomoda a muitos, e a polarização/radicalização do cenário político indica que o “cancelamento” da sua representação física parece ser algo não muito distante no horizonte. Para o pior acontecer, basta ficarmos de olhos fechados, crendo ingenuamente na falácia de que tudo faz parte da “evolução natural” da arte e da sociedade.

George Orwell, um jornalista que conhecia profundamente os métodos totalitários de controle da sociedade, escreveu na abertura do seu famoso livro “1984”, ao final dos anos 1940 — mesma época da construção dos monumentos exibidos neste post:

“Quem controla o passado, controla o futuro. Quem controla o presente, controla o passado.

Categorias:Notícias

6 respostas »

  1. Tive a oportunidade de admirar, in loco, o Monumento aos Expedicionários de Campos dos Goytacazes, no Estado do RJ. É uma obra de arte imponente e impressionante, à altura dos brasileiros que lutaram e sangraram na Itália. É obra do escultor brasileiro Modestino Kanto, autor do Monumento ao Marechal Deodoro da Fonseca, grandiosa estátua equestre localizada na Praça Paris, no Centro da cidade do Rio de Janeiro.

    Curtir

  2. CONCORDO COM O BRILHANTE TEXTO.
    SÓ GOSTARIA DE ADICIONAR QUE APESAR DAS CAMPANHAS DE DESINFORMAÇÃO E DE TENTAREM APAGAR COM A PUJANTE E RICA MEMÓRIA DA FEB, CRESCE O INTERESSE PELOS NOSSOS PRACINHAS, BEM COMO QUE TAL GUINADA SEGUE EVOLUTIVA E IRREVERSÍVEL.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s