Notícias

O Reencontro

Foi realizado em novembro passado, na cidade do Rio de Janeiro, o XXVI Encontro Nacional dos Veteranos da FEB. O evento contou com a participação de pouco mais de 20 veteranos da Força Expedicionária Brasileira, oriundos de diversas cidades do Brasil.

veteranos

Veteranos reunidos durante o XXVI Encontro Nacional dos Veteranos da FEB. (Foto: ANVFEB/JF)

O ponto alto da programação foi a visita ao Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (MNMSGM). Após o término de uma cerimônia religiosa, alguns veteranos percorreram a cripta do monumento, onde estão as lápides gravadas com os nomes dos pracinhas mortos durante a Campanha da Itália. Sob elas, repousam os restos mortais de 462 brasileiros, guardados em pequenas caixas de zinco (mais informações sobre o MNMSGM em O Retorno dos Heróis).

Avisado previamente que José Marino — um veterano de Araraquara — desejava conhecer a lápide de um antigo companheiro, posicionei melhor a câmera para registrar a cena. Era a primeira vez que o pracinha visitava o monumento. Dentre suas lembranças de guerra, os combates tenebrosos no entorno da cidade italiana de Montese, em abril de 1945, ocupam lugar de destaque. Nessa oportunidade, a sua companhia — a 9ª Cia do III Batalhão do 6º Regimento de Infantaria — entrara em posição em Paravento, substituindo as extenuadas tropas do “Lapa Azul”.

10579836_825968537435349_1026672324_n

Desfle da FEB na Avenida Rio Branco (RJ) em 24 de maio de 1944. José Marino é o primeiro homem da coluna da esquerda. (coleção do autor)

Marino integrava a guarnição de uma peça de morteiros de 60 mm, chefiada pelo cabo Norberto Henrique Weber — um gaúcho de Santa Rosa. Durante o combate, agachado numa valeta, o soldado paulista suportava o pesado bombardeio alemão, testemunhando o maior ataque de artilharia feito do Eixo em todo o front italiano, desde o lançado contra a cabeça-de-ponte Aliada em Anzio, em janeiro de 1944.

Em determinado instante, Marino abandona a valeta e nela se abriga o cabo Weber. Foi a última ação do militar. Logo em seguida, uma granada cai dentro da vala, estraçalhando o cabo. Quando Marino recebe ordem para assumir o comando da peça de morteiro, ele usa um pedaço de estopa para limpar o sangue que cobrira a arma, antes de entregá-la a um soldado atirador. Mais tarde, recolhe os pedaços do companheiro e os coloca na beira da estrada. Embora terrível, não foi esta a visão que mais lhe impactou:

Não me impressionou tanto ver o meu companheiro morto como eu ver o capacete dele cheio de sangue virado pro ar. Eu quase não me contive. Foi em Montese também. Perdemos muitos, muitos. Foi uma mortalidade fora de série. Eu passei por muitos companheiros mortos. Inclusive o cabo Weber, que depois eu fui pegar o revólver .45 que tava na cintura do atirador, que eu cortei a cinta, a barriga abriu e… né, não me impressionou tanto como lá, quase no finzinho do morro lá em cima o capacete. O sujeito tava morto assim do lado e com uma bala na cabeça e no capacete o sangue empoçou.[1]

Quase sete décadas depois, ao encontrar o jazigo do amigo, Marino não se contém. O velho soldado põe-se de joelhos e beija a lápide, fazendo uma breve oração em seguida. Quem viveu os horrores da guerra não esquece a amizade forjada nos campos de batalha. Jamais.


[1] MAXIMIANO, César Campiani. Barbudos, Sujos e Fatigados, São Paulo: Grua, 2010, p.274.

9 respostas »

  1. Meu pai era do 6º RI de Caçapava,SP Cabo Êbe Gomes Protta. Gostaria de saber se existe uma lista dos nomes de todos os que participaram das campanhas da FEB na Itália junto com ele, pois eu gostaria de saber se seus amigos ainda vivem. Perdemos o contato com muitos. Outros sabemos que, assim como meu pai, já faleceram. Obrigada.

    Curtir

  2. A cultura brasileira está tão deteriorada que se você perguntar a um jovem ou a uma criança o que foi a FEB e quem foram os pracinhas, 95 por cento não sabem sequer dizer o que esses heróis fizeram… Assisti um documentário “Lapa Azul” onde alguns pracinhas relatam que foram vítimas de chacota por populares enquanto, certa vez, desfilavam em um 7 de setembro… Até hoje na Itália são lembrados e não é muito difícil ver vídeos no you tube de crianças italianas cantando a canção do expedicionário (em português!) nos dias 8 de maio nas comunes de Fuornovo, Monte Catelo, Montese, Pistóia… Sou ítalo-brasileiro e esse descaso (no Brasil) com os pracinhas me entristece muito… A quem interessar possa: https://www.youtube.com/watch?v=-ve3nGfPRhs

    Curtir

  3. meu pai foi colega de esquadrão no regimento de sta rosa rs hoje 19º recmec e com muito orgulho fui conhecer um pouco da historia cb weber

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s