História da FEB

Lima Brayner e a “fogueira das vaidades”

De toda a historiografia da Força Expedicionária Brasileira, o livro escrito por um oficial de carreira que mais gerou controvérsias foi, sem dúvida alguma, A Verdade Sobre a FEB (1968), do Marechal Floriano de Lima Brayner.

Recheada de comentários e episódios depreciativos envolvendo a a figura do comandante da FEB, a obra causou tamanha repercussão negativa que levou o autor a tentar se redimir nos livros seguintes. Em Luzes Sobre Memórias (1973) Brayner afirmou: “Mascarenhas foi, sem dúvida, um grande chefe dotado das mais altas virtudes[1]. Em Recordando os Bravos (1977)[2], ele fez questão de novamente inserir a menção elogiosa feita por Mascarenhas à sua pessoa, já destacada nas primeiras páginas de A Verdade Sobre a FEB.

Todavia, os efeitos do primeiro livro de Brayner repercutem até hoje entre historiadores e pesquisadores. O pouco destaque dado ao seu testemunho é interpretado como uma espécie de censura institucional, que teria resultado numa suposta “higienização” da memória da FEB. Até que ponto é válida tal assertiva?

Brayner 2

Lima Brayner e o seu livro polêmico.

 

Julgar a validade das críticas de Brayner é uma tarefa das mais intrincadas e trabalhosas, pois exige do historiador um amplo conhecimento das operações conduzidas pela FEB, bem como da extensa literatura escrita por seus protagonistas. A Verdade Sobre a FEB traz o valioso testemunho do seu Chefe do Estado-Maior, oferecendo ao leitor um quadro único dos percalços enfrentados pelo comando da Divisão brasileira; porém, o valor da obra é nublado por dois traços peculiares do autor: a amargura e o ressentimento.

Brayner jamais perdoou o general Mascarenhas de Moraes por ter dado ouvidos às opiniões do Tenente-Coronel Castello Branco, Chefe da 3ª Seção, em detrimento às suas. A ferida maior no ego do marechal aconteceu no retorno ao Brasil, por ocasião da confecção do relatório final da campanha — segundo Brayner uma atribuição funcional sua —  por alguns oficiais que “sequer possuíam o curso de Estado-Maior”.

O relato de Brayner sobre os conflitos pessoais ocorridos na FEB repercutem com maior vigor justamente naqueles que desconhecem o funcionamento de um Estado-Maior e a sua usual “fogueira de vaidades”. Em essência, o relacionamento interpessoal entre os militares de um Estado-Maior não difere muito do encontrado nos civis de uma grande empresa, cujos diretores se esforçam em obter a simpatia do presidente, desejando que suas opiniões sejam escolhidas pelo chefe em situações de conflito junto aos demais integrantes da equipe.

Se os atritos no trabalho de um Estado-Maior acontecem com frequência até mesmo em exercícios rotineiros em tempo de paz, que dirá no calor do combate, quando as decisões tomadas influenciam o destino de milhares de homens. Além disso, tais atritos costumam ser potencializados conforme aumenta o posto dos militares envolvidos — e não são exclusividade deste ou daquele Exército. Assim, a narrativa de Brayner acerca das questões pessoais mencionadas em seu livro, embora sejam muito interessantes, não trazem grandes surpresas para os historiadores militares — exceção feita aos neófitos.

A história mostra que o general Mascarenhas agiu corretamente quando deu ouvidos ao assessoramento de Castello Branco, no sentido de modificar seu estilo de comando e de reforçar o treinamento da tropa — sabidamente pouco e mal instruída no Brasil —, atendendo as sugestões do comando norte-americano. Muito do sucesso da FEB, a partir de fevereiro de 1945, deveu-se a essa nova postura.

Foi outra decisão sábia a designação de uma equipe de dois majores e três capitães, de fora do EM, para elaborar um relatório final da campanha que venceu o teste do tempo. Decorridos mais de 70 anos, o documento continua sólido, equilibrado, e com poucas ressalvas no seu conteúdo. Embora seja usual a produção de tal documento pelo EM, antes de tudo ele é uma responsabilidade do Comandante. Cabe a ele designar o(s) autor(es) do trabalho.

 

A FEB

Baseado no relatório final da campanha, o livro A FEB Pelo Seu Comandante venceu o teste do tempo com seu estilo sóbrio e equilibrado.

O livro A FEB pelo seu Comandante, de autoria do General Mascarenhas de Moraes, costuma ser criticado por assemelhar-se mais um relatório do que um livro, certamente por ter utilizado o relatório final da campanha como base narrativa. A sobriedade do texto — uma característica do autor — passa longe das intrigas pessoais, pois trata-se de uma obra de alto nível sobre uma campanha militar. Mascarenhas foi um general vitorioso no campo de natalha, e não um romancista.

Semelhante avaliação positiva não cabe ao livro A Verdade sobre a FEB, pois no testemunho de Brayner percebe-se uma gritante falta de iniciativa e autoridade em apaziguar os ânimos exaltados dos oficiais do seu Estado-Maior. Mesmo tendo sido escrita mais de vinte anos após o término da guerra, A Verdade sobre a FEB mostrou uma lamentável falta de compreensão de Lima Brayner acerca das operações militares desenvolvidas pelos brasileiros na Itália, talvez potencializada por um antiamericanismo crônico que permeia a narrativa.

 

Luzes

Brayner procurou reparar os danos lançando Luzes sobre Memórias e Recordando os Bravos, mas os danos causados foram irreversíveis.

 

No presente, apesar de todas as ressalvas, a obra de Brayner costuma cair nas graças dos interessados em escrever a “verdadeira história da FEB”, pois, segundo eles, ela teria sido “higienizada” pela instituição militar. Tal concepção provém do espírito revisionista que acometeu a historiografia brasileira a partir dos anos 1980, empreendendo um esforço continuado em tentar reescrever a história militar brasileira sob a ótica da luta de classes.

Ao contrario do que afirmam os revisionistas, jamais houve qualquer iniciativa do Exército em moldar a história da FEB, simplesmente porque a Força Terrestre nunca se interessou em produzir uma versão oficial da campanha. Exceção feita ao conteúdo resumido da FEB na História do Exército Brasileiro (1972), a quase totalidade da bibliografa relativa ao tema foi escrita por seus protagonistas e historiadores civis e militares. Na prática, a tal “higienização” pertence ao universo imaginário e ideologizado dos revisionistas.

Obviamente, qualquer narrativa histórica pode — e deve — ser revista, melhorada e ampliada. Um exemplo é o livro Soldados da Pátria – História do Exército Brasileiro 1889-1937 (2004), de Frank D. McCann: uma monumental análise do papel do Exército Brasileiro da Proclamação da República ao Estado Novo. Contudo, a doutrinação ideológica no falido sistema educacional brasileiro cobra o seu preço.  A distância que separa um livro de McCann das canhestras obras revisionistas nacionais é comparável a que separa uma partitura de Bach de um funk do MC Guimê no universo musical.

Mascarenhas foi elegante e cortês a ponto de suprimir de suas memórias as falhas e omissões de terceiros — Brayner inclusive —, recomendando o coronel para a promoção ao generalato diretamente ao Ministro da Guerra. Porém, sua generosidade foi respondida com o ressentimento e a deslealdade. A Verdade sobre a FEB apareceu nas prateleiras das livrarias apenas quando o velho comandante já havia falecido e não podia mais se defender.

Lima Brayner jamais reconheceu a magnanimidade de Mascarenhas. Por sua vez, os febianos também não perdoaram a traição ao seu comandante, e Brayner foi discriminado. Embora ocupasse o mais alto posto da hierarquia militar, ele sequer comparecia às reuniões periódicas dos veteranos. [3] Talvez ele seja a vítima mais emblemática da “fogueira das vaidades” na história moderna do Exército Brasileiro.

 

[1] Luzes sobre Memórias, p.16.

[2] Brayner ainda escreveu mais um pequeno livro: Luzes no Crepúsculo (1978), sua obra derradeira.

[3] Diálogos com Cordeiro de Farias, p.282.

Categorias:História da FEB

1 resposta »

  1. Excelente livro do Marechal Brayner. Relata todos os problemas enfrentados pelos Soldados desde a convocação, o desleixo como foram tratados pelo Governo e até comando. Os quinta-colunas, os canalhas da grande imprensa.
    Humilhação mesmo é o livro de Willian Waack “as duas faces da glória”, onde relata episódio de corrupção, roubo no fornecimento de refeições para os Pracinhas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s