História da FEB

Um “tenente” na FEB

Oswaldo Cordeiro de Farias (1901-1981), assinalado na imagem acima, foi o ilustre Comandante da Artilharia Divisionária da FEB. Gaúcho de Jaguarão, sentou praça com apenas 16 anos, ingressando na Escola Militar do Realengo em 1917. Foi promovido a 2° tenente em 1920 e a 1° tenente no ano seguinte.

Vivenciou um dos períodos mais turbulentos da história brasileira, quando o autoritarismo e a corrupção da República Velha provocaram a revolta da população, em particular da jovem oficialidade.

Em 1924, integrou o levante tenentista no RS, comandando a seguir um dos quatro destacamentos da Coluna Miguel Costa-Prestes. Na vitoriosa Revolução de 1930, ajudou a colocar um ponto final no odiado regime.

Cordeiro de Farias na Coluna Miguel Costa-Prestes (1924-1927)  CPDOC/FGV
Cordeiro de Farias na Coluna Miguel Costa-Prestes (1924-1927) CPDOC/FGV


Getúlio Vargas levou ao poder os famosos “tenentes”, que gozavam de imensa admiração da opinião pública, e sua opção política mostrou-se acertada em virtude das sérias convulsões que viriam em seguida. Farias combateu com sucesso tanto a Intentona Comunista quanto a Integralista. Nomeado Interventor Federal no RS, promoveu intensa campanha contra a infiltração nazista no Estado. Foi o mais jovem general de brigada promovido pelo EB, com apenas 40 anos de idade.

Em 1943, voluntariou-se para servir na FEB. “Eu queria ir para a guerra, era a alma do soldado que pedia”, declarou. Sua liderança foi fundamental para que a Artilharia Expedicionária tivesse um magnífico desempenho.

Foi promovido a marechal e transferido para a reserva em 1965. Jamais um general do Exército esteve tanto tempo na ativa (23 anos).

O brioso oficial combateu todas as ameaças da sua época: das oligarquias perniciosas da República Velha aos comunistas de 1935 e 1964; dos integralistas tupiniquins aos fascistas e nazistas em solo italiano.

Foi o legítimo “tenente”: militares de imensa coragem, idealismo e devoção à Pátria. Em 1922, indignados com a tirania e as fraudes eleitorais, tenentes revoltosos assumiram o controle do Forte de Copacabana, recusando o ultimato de rendição, mesmo sob pesado bombardeio aéreo e naval.

Fragmentos da Bandeira Nacional distribuídos entre os revoltosos tenentistas, em exposição no Forte de Copacabana (O Globo)

Arriaram a Bandeira Nacional, rasgando-a em pedaços repartidos entre si, antes da derradeira luta num combate desigual. Dos tenentes que integraram o pelotão suicida, apenas dois sobreviveram (Siqueira Campos e Eduardo Gomes). Honraram o sagrado juramento à Bandeira com o sacrifício da própria vida.

Em tempos de censura, perseguição política, processo eleitoral manipulado e eleições sob suspeita — similares às da República Velha —, parecem nos faltar homens da geração de Cordeiro de Farias.

4 respostas »

  1. Durval Lourenço Pereira, autor de vários livros ícones sobre a Segunda Guerra Mundial e mais especificamente sobre a participação brasileira no conflito, destaco a magnífica obra “Operação Brasil” como o mais completo e definitivo trabalho de pesquisa já publicado no Brasil sobre o assunto! Parabéns!!!!!!

    Curtido por 1 pessoa

      • Boa noite. Meu pai participou de ima Patrulha para tomada de Monte Plano e Monte Castelo. Tenente Mario Cabral de Vasconcelos você sabe algo sobre meu pai herói?

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s